quarta-feira, março 17, 2010

Morreu...
ele pode ressuscitar mais, por vez: morreu.

morreu o poeta em mim, ele já não escreve. ele já não existe, sou outra pessoa, e esse blog é passado.


tão passado quanto tudo que escrevi aqui.

não escrevo mais!

mas não defino o infinitivo,
nada é indefinido
por enquanto é...
definitivo.
...

Postar um comentário