domingo, setembro 19, 2010

Candeia

O Silêncio durante a manhã
A boca cerrada
A Solidão que atravessa a tarde
Tudo passa

Um dia vazio

O ultimo passeio vespertino
O ultimo suspiro do Dia

Os ruídos dos pássaros
Aos cantos os grilos
O tão longínquo ruído de motor
Tudo isso

A Noite silencia

Não há ninguém comigo
Não há companhia
Foi este um dia vazio
Um dia que ao fim
onde finda a Noite

Linda

Se perde no desespero
no vácuo
Hiato
De sua companhia

Uma vela acesa me alumia
Na candeia
O Fogo vivo cambaleia
Quase tão sensual quanto seu corpo a luz do dia
Me esquenta, me seduz
Me alimenta e me reduz

Forma de mim um sonho abstrato
Um acontecer grato
Em um anoitecer de lembranças
por momentos plenos de alegria

Lembranças boas da Vida

Da vida que escolhi
A Vida viva
Por muitos esquecida
Em muitos perdida
Mas a Vida
Que quero para mim
Postar um comentário