quarta-feira, dezembro 01, 2004

Ontem, Hoje e ainda por um Bom Tempo

A história de Édipo é o retrato perfeito do herói contemporâneo, ele é belo, é rico, é inteligente, forte, honrado, corajoso e amável. Pobre Édipo não sabia que sem um certo grau de perversidade, estava condenado a pagar caro por cada uma dessas qualidades. Pobre Édipo, e repito essas palavras que ainda se repetirão neste texto, por não querer destruir sua família fugiu, mas no caminho de sua fuga, sem saber, acaba por matar o próprio pai e quem diria, por querer ajudar um povo que acabara de perder o seu rei, casaria, Édipo, com sua própria mãe. Sempre atrás da verdade, Édipo por sua vez, descobre afinal, que era o assassino do próprio pai e ainda por cima casara com sua mãe. Pobre Édipo, não se agüentando de desgosto e remorso, e com um sentimento de culpa digno do nobre herói que ele era, para piorar toda sua triste trajetória e tornar grandiosa sua tragédia, fura ele os seus próprios olhos.

É ai está o verdadeiro exemplo do herói de todas as eras que se forma no imaginário de todos nós, ele é belo, é rico, é inteligente, forte, honrado, corajoso e amável. Sua história é o exemplo real da vida trágica que terá de passar aquele que se arriscar a encarnar o espírito desse herói. Herói com final feliz... só em historias em quadrinhos e romances modernos. Na Grécia antiga, época em que o homem imperfeito como é, era afirmado, venerado e festejado pela população --população essa que em prova disso, vemos dar aos seus deuses, que em todas as civilizações sempre foram criados, ou vistos, como um exemplo a ser seguido, o mais fiel retrato do homem--, o verdadeiro caráter grundlos (sem sentido) da vida era muito bem representado nas trágicas histórias dos seus heróis.
Postar um comentário