segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Carta para Alberto (continuação)

Parte I

Gosto de sentar-me à beira-mar

Não por ter espaço e silêncio ou qualquer outra coisa que
não esteja lá

Mas simplesmente por poder admirá-lo sem pensar
Praticar tão bela arte que me ensinou.
Gosto de estar lá por estar e nada mais…
Acompanhado do vento, da areia, do sol e das ondas.
Feliz por nada ter a dizer para eles
E por nada ver neles alem do que são
Sol, areia, vento, mar.


Parte II

E quando levanto
Esqueço que lá estive
Pois lá era outro lugar
Agora penso em como estou
Bem em sentir-me
E sentir-me, sem pensar em nada
Sabendo que assim prosseguirei.
Sem memória. Sem passado.
Vivendo. Simples: vivendo...

Parte III

Não vivo para os outros
Nem vivo para mim
Apenas vivo.
Pois este é o único jeito
Do contrario, se houvesse outro
Teríamos um outro dizer que não fosse viver.
E sempre que lembro da grandeza deste estar
Agradeço a você, pois foi te conhecendo que aprendi...
Mas logo esqueço e continuo em meu caminho
Aquele que só quem segue sou eu.

Parte IV

Enquanto ando
Quando encontro uma encruzilhada
Escolho o rumo que me estiver mais próximo
E se puder nem vejo que eram duas as estradas
Que diferença faz os caminhos que escolhemos?
Se no passar da vida
Onde nossos olhos apreendem tudo como belo
O infinito buraco ao qual precipita o tempo
Nos previne de reviver qualquer história


Parte V

E se as vezes minha poesia é feita de rima
E se as vezes não rima
Foi porque aprendi com você
A ser livre no fazer
De pensar em poesia
Como cada frase um verso
Como o verso de cada dia

Parte VI

Mas as vezes dou voltas
Mas nas voltas que dou
Não me contradigo nem me perco
No eterno retorno do que já foi dito
Reedito o que já foi escrito
E reescrevo o que já me disse
Passo então para frente o que aprendi
De uma nova maneira
Para novamente ser lido
Esperando com isso que alguém se ilumine

Postar um comentário