domingo, fevereiro 04, 2007

Contínua

Enquanto quebram-se vidros
Ao som dos estilhaços
Ouvidos argutos mostram-se vivazes
E ruídos a mais preenchem o espaço

Nas frinchas, frestas e buracos
Correm soltas criaturas
Pronunciando murmúrios de ansiedade
Com suas vidas despropositadas

E sem explicação que justifique
Se multiplicando nos diferentes caminhos que se multiplicam
Seguem sem razão nem destino
Por suas invisíveis passagens

Sucessivo movimento inexplicável
Até o momento da morte
Onde aparentemente para; a vida continua
Continua, continua e continua…
Se esgueirando por guetos sujos e limpos parques.
Postar um comentário